escolhendo filtro solarDesde a década de 60, quando eram escassas as informações sobre os riscos provocados pela exposição solar demasiada, e o uso de protetor solar era pouco conhecido, os banhistas só lembravam de se proteger quando a pele começava a arder ou ficar vermelha. O uso inadequado de vinagre para aliviar as dores das queimaduras era muito comum naquela época.

Atualmente, apesar da precária fonte de informações, dos preços exorbitantes dos protetores e da super valorização cultural da pele bronzeada, existe uma maior conscientização sobre os mecanismos de agressão do sol à nossa pele.

Na escolha do filtro solar é necessário levar em consideração: cor e tipo de pele, idade, pessoas alérgicas, uso para fins esportivos, entre outros.

Pessoas com lúpus (doença crônica auto-imune que ataca várias partes do corpo, inclusive a pele) e albinismo (alteração genética que afeta a pigmentação), demandam maior atenção e tornam o uso do filtro solar imprescindível. No primeiro caso, a falta do uso desencadeia o surgimento de novas lesões cutâneas e o surto da atividade da doença. No segundo caso, pode acarretar irritações e queimaduras de variados graus. Já existem projetos de lei que determinam o fornecimento gratuito de protetor solar para essas pessoas.

As peles que se encontram nessas condições necessitam de cuidados específicos. A indústria farmacêutica tem evoluído constantemente em relação à este assunto. Ela desenvolveu produtos com faixas altíssimas de FPS e modernos filtros direcionados exclusivamente para esse grupo, reforçando a defesa para sua saúde.

Cabe salientar que alguns antibióticos, contraceptivos e tranquilizantes têm o efeito de tornar seus usuários mais sensíveis à radiação UV.

Para uma pele bela e saudável é recomendado o uso do protetor solar inclusive em dias nublados e de pouco sol. Seja em locais abertos ou dentro de escritórios, pois a luz solar pode refletir nas vidraças. Na própria iluminação ambiente através de lâmpadas são encontradas radiações UVA.

Escolha do Protetor Solar

  • Deve-se aplicar o produto ainda em casa e 30 minutos antes de se expor ao sol;
  • Aplique o protetor solar na pele seca e antes do uso de repelentes e maquiagem;
  • Passe sobre o corpo sem roupas normais ou de banho.
  • Espere uns 2 minutos até que a pele absorva o produto e então coloque a roupa. Para melhor fixação, recomenda-se aplica-lo em ambientes frescos, evitando a transpiração;
  • No dia-a-dia não se faz necessário mais de 1 reaplicação. Para banhos de piscina, bastam 2 aplicações, já que modernos produtos possuem silicone em sua composição, tornando o filtro à prova d'água. Para os esportistas é interessante 1 reaplicação a cada 2 horas, já que a transpiração é mais intensa;
  • O uso de uma quantidade generosa e proporcional ao corpo, que geralmente equivale a 35 g do produto, juntamente à seu uso correto, potencializa a proteção;
  • Não esquecer de aplicar o produto em regiões do corpo que frequentemente são esquecidas como: ao redor dos olhos, pescoço, nuca, orelhas, meio das pernas, antebraço, pés, mãos e partes calvas.

As medidas mais apropriadas para a quantidade de protetor solar aplicada com base em um adulto de 1,70m entre 60 e 70 kg são:

  • Aproximadamente uma colher de chá para rosto e pescoço;
  • 1 colher de sopa para a parte da frente do tronco, e outra para a de trás;
  • 1 colher de sopa para cada um dos braços;
  • 1 colher de sopa para cada uma das pernas.

Dicas sobre Filtro Solar

Deixe uma camada superficial do creme protetor sobre a pele para potencializar o efeito, pois ele age como uma película de barreira contra os raios solares. Na escolha de um FPS compatível com a cor de sua pele, não considere locais como braços e rosto, pois essas regiões estão constantemente em contato direto com sol, respondendo de forma diferenciada aos seus efeitos. Deve-se verificar qual o mais adequado para a sua pele e no caso de dúvidas, busque a orientação de um dermatologista.

A numeração de FPS varia:

  • Para pessoas de pele clara indica-se filtros com FPS elevado maiores que 30;
  • Para as de pele morena entre 15 e 30;
  • As pessoas de pele negra, por possuírem uma resistência maior à radiação, podem usar fatores menores que 15. Os óleos bronzeadores, por exemplo, possuem um fator baixo e são indicados para a pele negra e morena;
  • A maioria dos dermatologistas indicam, por precaução, o fator 15 como um índice básico e mínimo de proteção. Caso a sua pele ainda insista em ficar vermelha com os efeitos do sol, o FPS deve ser alterado.

Como Escolher o Filtro Solar?

  • crianças na praiaTentar um bronzeado mais rápido, burlando as orientações quanto ao FPS adequado para a sua pele, só causa vermelhidão, dor e descamação. O que se pode fazer é: nos primeiros dias de exposição, usar o fator correspondente ou maior para a pele. Nos dias seguintes, quando ela estiver mais protegida, pode-se utilizar um índice menor;
  • Filtro solar com fator acima de 40 é especialmente indicado para pessoas que, em hipótese alguma, podem se expor à radiação solar intensa. Apesar de ter uma diferença básica entre os fatores 40 e 15, o uso inadequado e sem orientação médica de FPS altos pode causar irritação, cravos e espinhas, pois a composição do produto é espessa e diminui a transpiração;
  • Na escolha de um bom filtro é importante frisar que além de constar no rótulo a proteção UVB, ele deve conter o fator proteção contra a radiação UVA também, porque esta é responsável por causar o envelhecimento, aparecimento de rugas e manchas solares. Ou seja, toda embalagem deve conter essa informação;
  • Produtos hipoalergênicos são aqueles compostos por substâncias que não provocam alergias. Uma substância altamente alérgica é a Paraminobenzóico. Se o produto informar ser livre de PBA ou PABA free, significa que não contém essa substância. Não é aconselhável o uso de produtos que não possuam o PABA free em suas embalagens em bebês ou pessoas de pele oleosa;
  • O protetor solar cremoso é aconselhável para pessoas de pele seca ou normal, pois sua composição auxilia na hidratação. As de pele oleosa ou com acne devem optar pelo livre de óleo, o famoso oil free, que se apresenta em versões gel ou spray e evitam o excesso de oleosidade. Quando estiver na embalagem: “não comedogênico” significa que o produto não obstrui os poros, o que evita o aparecimento de cravos e espinhas;
  • Encontra-se no mercado filtros direcionados para o rosto que, por ser uma área mais sensível e propensa ao fotoenvelhecimento, exige FPS um pouco mais alto e eficaz;
  • As crianças necessitam de um cuidado maior por terem a pele bastante delicada e facilmente lesada pelos efeitos do sol, estão dentro da faixa de risco de sofrerem algum tipo de reação indesejável. O uso do protetor nessa faixa etária é extremamente importante. Bebês abaixo de 6 meses nunca devem ser levados às praias ou piscinas sem a devida orientação médica;
  • A partir dos seis meses de vida, os bebês já podem usar o filtro. Existem fórmulas específicas para eles, pois não provocam alergia e tem duração prolongada. A exposição solar demasiada na infância e na adolescência é um dos agravantes para o desenvolvimento de câncer de pele quando se chega à vida adulta;
  • Os idosos que utilizam FPS acima de 15 continuam recebendo a radiação solar necessária contra o risco de osteoporose. Vale salientar que um acompanhamento médico é necessário na escolha do produto;
  • O uso incorreto da quantidade de filtro solar diminui a eficiência do FPS. O usuário deve sempre seguir as instruções marcadas no rótulo da embalagem;
  • Os produtos importados, obrigatoriamente, devem trazer em suas embalagens as informações básicas em português, quanto ao nível de proteção, determinação e modo de uso, indicações para os tipos de pele, contra-indicações e os demais assuntos pertinentes ao consumidor, para que haja precisão no seu uso.